Como fazer amigos casal em Nova York

Radicado há anos em Nova York, o modelo brasileiro Antonio Bevilacqua é um dos rostos mais requisitados para campanhas, editoriais de moda e propagandas de TV. Antenado, ele sabe onde ficam as lojas descoladas. À pedido do Viagem & Gastronomia, ele listou os melhores lugares de Nova York para homens comprarem roupas. Eataly Flatiron (1) O Eataly é um empreendimento gastronômico presente em algumas cidades, inclusive em Nova York. O local é um prato cheio, literalmente, para amantes da culinária, para pessoas que gostam de experimentar novos sabores, para quem tem dúvida do que quer comer e quer ter várias opções em um mesmo lugar, para quem quer fazer... Em 2011, depois de voltar a sua cidade natal, ela começou a trabalhar como colunista em uma revista. Ao mesmo tempo, para conseguir uma renda extra, fazia encomenda de bolos — algo que ela nunca parou de fazer.“Enquanto eu trabalhava com moda, eu acordava cedo e cozinhava para amigos e familiares”. Este artigo foi coescrito por Candice Mostisser.Candice Mostisser é uma Coach de Namoro da NYC Wingwoman LLC, um serviço de namoro em Nova York. A NYC Wingwoman oferece serviços de encontro, apoio, Coaching privativo e cursos intensivos. É especialista em ensinar aos outros as melhores estratégias e práticas para ter sucesso nos primeiros encontros e no mundo do namoro online. O Thiago, por exemplo, em um passado recente, mas que, devido à pandemia de Covid-19, parece estar tão distante, planejou nos mínimos detalhes um emocionante pedido de casamento em Nova York em pleno Central Park, com direito até mesmo a música ao vivo para surpreender a Camila. O pedido aconteceu em 21/12/19. Como fazer amigos depois dos 30 ... muita gente nova aparece na vida, mas os amigos de verdade são mais raros. ... 35.510.663 Total de visitantes diferentes do site da Folha em agosto de 2020 ... Nova York, uma das cidades mais visitadas por brasileiros. É também aquele lugar onde você encontra MUITAS opções gastronômicas, de entretenimento e cultura.O que mais encanta os turistas é o charme de suas construções rodeado por lojas, restaurantes e arranha-céus. Andar por suas ruas, visitar seus parques e andar nos táxis amarelos é como entrar num filme de Hollywood - ficando ... Em preparação à quarentena de 14 dias que terá de fazer na volta, exigida pelo governo de Nova York para quem estiver regressando de estados como o Arizona e a Califórnia, estocou a geladeira ... Mais do que economizar, vir para Nova York “grávidos” pode ser ótimo para o casal que deseja fazer um Baby Moon, ou seja, uma viagem “a dois” antes do bebê nascer. A cidade tem inúmeras atrações legais e bem confortáveis, além de ser perfeita para os desejos da futura mamãe, com comida de diversos lugares do mundo, muitas # ... E você, já pensou em aceitar esse convite de Jeová e experimentar as bênçãos dele? Com oração, analise o que você poderia fazer para participar nas emocionantes obras de construção do povo de Jeová, seja em Nova York, seja em outros projetos teocráticos, e veja em primeira mão como Jeová o recompensará. — Mar. 10:29, 30.

Os primeiros dias do fandom de ASOIAF e Game of Thrones

2019.08.04 02:52 altovaliriano Os primeiros dias do fandom de ASOIAF e Game of Thrones

Link: https://bit.ly/2KtExQJ
Autora: Alyssa Bereznak
Título original: The Last Popular TV Show (How game of Thrones became the last piece of monoculture)

Padraig Butler não se lembra exatamente quando se tornou Deus-Imperador da Brotherhood Without Banners. Nos últimos 18 anos, o gerente demeteorologia aeronáutica de 43 anos fez uma peregrinação anual à Worldcon, a convenção de ficção científica e fantasia, para celebrar o trabalho de George R.R. Martin, autor de As Crônicas de Gelo e Fogo. E foi quase 18 anos atrás, quando ele viajou pela primeira vez de sua cidade natal, Dublin, na Irlanda, para a Filadélfia, que começou a jornada até Imperador-Deus.
Segundo a história, a recém-criada organização - batizada em homenagem a um grupo fora da lei na série de livros - organizou uma festa em homenagem a Martin. Depois de uma noite de bebedeira, um fã bem satisfeito, conhecido em fóruns online como Aghrivaine (e cujo nome real é David Krieger), presenteou o autor com uma espada e pediu para ser armado cavaleiro. O autor concordou sob uma condição: que Krieger e os outros foliões se juntassem a ele em uma "missão" às 1 da manhã ao Pat’s King of Steaks. Naquela noite, depois que cerca de 20 membros da BWB encheram seus estômagos com a comida local, eles foram apelidados de Cavaleiros do Cheesesteak.
Nos primeiros anos do clube de fãs do livro, quando o tamanho dos encontros da Brotherhood Without Banners ainda era administrável, esses títulos voltados para a comida se tornaram um símbolo de honra. (Os Cavaleiros da Poutine, os Cavaleiros do Deep Dish, os Cavaleiros do Haggis e, lamentavelmente, os Cavaleiros da Lixeira). Por decreto de Martin, foram acrescentadas outras honras para reconhecer a participação. Um membro que tivesse participado de pelo menos três grandes encontros da BWB seria apelidado de lorde. Depois das cinco, um príncipe. E depois de sete, rei. Butler já esteve em 16 Worldcons e cerca de 100 outras convenções relacionadas a Thrones e confraternizações pertinentes, protegendo seu reino há muito tempo por meio de seu título de cavaleiro do Cheesesteak. "Eventualmente perguntaram a George, de que chamaremos Padraig agora?" Butler lembra. "Ele disse: ‘É isso. Ele é um rei. Ele vai ficar rei até que alguém o remova do trono’”. Butler não tem planos de parar. "Agora as pessoas apenas dizem: 'Você é o Imperador-Deus'".
Butler visitou um total de 12 países e quatro continentes para se encontrar com seus companheiros de estandarte, construindo uma rede social internacional digna de um líder mundial consagrado. E graças a uma junção de tecnologia e entretenimento, a série de livros indie pela qual ele se apaixonou nos anos 90 se tornou uma espécie de passaporte cultural, tanto uma razão para ver o mundo quanto uma maneira de se conectar com as pessoas que o compõem.
Ao longo dos anos, ele também assistiu com admiração quando Game of Thrones explodiu e se tornou uma peça onipresente da cultura pop diante de seus olhos. Um dia, ele embarcou em um trem e viu vários passageiros lendo os livros de Martin. Então ele olhou para cima para ver outdoors gigantes anunciando a data de estréia da adaptação da HBO. Eventualmente, seus colegas no aeroporto começaram a discutir o programa como uma fonte de turismo. (Uma atração de 110.000 pés quadrados chamada Game of Thrones Studio Tour será aberta na Irlanda na primavera de 2020.) Depois de quase 20 anos celebrando a série, e vendo-a se transformar em best-seller, programa de televisão, universo estendido e a potência da propaganda, ele ainda acha difícil processar o alcance da franquia. "É tipo: Nossa, isso está em toda parte agora."
[...]
Em 1997, Linda Antonsson estava dando uma olha sua livraria local em Gotemburgo, na Suécia, quando se deparou com uma versão em brochura de A Guerra dos Tronos, de George R.R. Martin. Era o primeiro item no que o autor previa ser uma trilogia intitulada As Crônicas de Gelo e Fogo, e contava a história de várias grandes casas disputando o poder nos continentes fictícios de Westeros e Essos, contada a partir da perspectiva de um punhado de personagens interessantes. O livro tinha sido lançado no ano anterior sem muito alarde. "Realmente não fez sucesso quando saira em capa dura", lembra Antonsson. Mas quando ela começou a ler, foi fisgada.
Ninguém mais que ela conhecia havia lido o livro, então ela se voltou à internet em busca de outros fãs de Martin - o que era uma experiência relativamente nova nos anos 90. "Eu lia muita fantasia, mas nunca tive ninguém com quem conversar sobre fantasia", ela me disse. "Eu tinha todas essas coisas que queria discutir e ninguém para conversar." Os cidadãos suecos não conseguiram adquirir suas próprias conexões dial-up até 1995; antes disso, Antonsson ocasionalmente fazia o acesso no centro de informática de sua universidade, onde estudava arqueologia clássica. Quando ela finalmente conseguiu sua própria conexão à Internet, ela navegou de bulletin board em bulletin board, debatendo desde a trilogia O Senhor dos Anéis, de J. R. R. Tolkien à série de livros A Roda do Tempo, de Robert Jordan. “Era um mundo incrível para se entrar, para poder encontrar todas essas pessoas que compartilhavam seu interesse sobre essas coisas que pareciam bem obscuras.”
Através desses primordiais fóruns da internet, Antonsson também descobriu o ElendorMUSH, um RPG multijogador baseado em texto que simulava o ambiente da Terra Média descrito nos romances de Tolkien. (O termo MUSH significa “alucinação compartilhada por vários usuários” [multi-user shared hallucination]. Isso foi antes de World of Warcraft, quando os computadores não tinham placas gráficas poderosas e os jogadores tinham que usar sua imaginação). Foi lá, na “cultura” que Antonsson havia se juntado, que ela conheceu Elio García. Na época, García estudava literatura inglesa e história medieval na Universidade de Miami. E os dois passaram os últimos anos analisando os detalhes mais sutis da Terra Média em árvores de discussão da Usenet, as precursoras dos fóruns on-line. Depois de terminar A Guerra dos Tronos, Antonsson convenceu o cético García a lê-lo também.
Logo eles estavam navegando juntos. Em 1998, a internet estava sendo amplamente usada como um utilitário de busca de informações em vez de uma rede social. Mas com a ajuda de algumas pesquisas no AltaVista, os dois encontraram tantos fóruns de fãs de A Guerra dos Tronos quanto puderam. Entre seus resultados estava Dragonstone, que García lembra ter sido executado via uma conexão de internet instável na Austrália; Harrenhal, que foi construído sobre a plataforma de serviços web Angelfire da Lycos (quee de alguma forma ainda existe hoje); e um fórum chamado Canção de Gelo e Fogo, dirigido por um usuário chamado “Revanshe.” Isso foi na época em que o mundo do entretenimento estava começando a entender o poder de marketing de mitos na internet. E, ao fuçar os fóruns de fãs dedicados à série Wheel of Time, Antonsson havia testemunhado em primeira mão como pistas e pontos da trama não resolvidos motivavam conversas. Ela viu o mesmo fervor se desdobrando com ASOIAF.
"Algumas das maiores e mais intensas discussões sempre foram sobre mistérios", disse Antonsson. "O primeiro tópico que eu lembro de ter lido no fórum de Pedra do Dragão foi a discussão sobre a paternidade de Jon e as poucas pistas que existiam depois do primeiro livro."
O fórum ASOIAF de Revanshe acabou se tornando grande em 1998, acumulando o que García estimava em cerca de 1.000 usuários regulares. Quando chegou a hora de Revanshe ir para a faculdade de medicina, ela passou o site para García, que já havia se tornado um moderador.
Enquanto isso, García e Antonsson estavam planejando começar seu próprio jogo MUSH em Westeros. Para garantir uma representação fiel, eles colocaram sua formação acadêmica em prática e tornaram-se geologistas, botânicos, zoólogos, antropólogos e historiadores autônomos de Westeros, registrando todos os fragmentos de dados que poderiam extrair de de Guerra dos Tronos em um documento do Microsoft Word chamado “The Concordance”. Eles compartilharam o banco de dados no fórum ASOIAF, pavimentando o caminho para a fundação da enciclopédia on-line feita por fãs, que hoje é conhecida como A Wiki of Ice and Fire. A wiki, que seria desenvolvido alguns anos depois, é composto de 23.081 páginas de conteúdo e passou por 236.642 edições desde o seu lançamento. Também inspirou a fundação de 11 sites irmãos em idiomas estrangeiros.
Observando os fóruns de fãs da Roda do Tempo, eles também estavam cientes de que a correspondência com os autores era freqüentemente perdida em tópicos separados. Então foi nessa época que eles começaram a registrar as entrevistas de Martin, e-mails, respostas em fóruns e postagens em blogs pessoais. (Naquele ano eles fizeram seu primeiro momento de contato com o autor, para pedir permissão para fazer o jogo MUSH. Meses depois, ele concordou, e os dois ainda tocam o A Song of Ice and Fire MUSH como um projeto paralelo).
O crescimento constante dos seguidores on-line de Martin - emparelhado com seu envolvimento na cena de ficção científica e fantasia desde os anos 1970 - gerou uma quantidade razoável de novidades para o segundo fascículo da série de Martin, A Fúria dos Reis. "Martin não pode rivalizar com Tolkien ou Robert Jordan, mas ele se qualifica com perfeitos medievalistas de fantasia como Poul Anderson e Gordon Dickson", escreveu um Publisher's Weekly cautelosamente otimista. À época, Peter Jackson estava se preparando para filmar a trilogia de filmes de O Senhor dos Anéis, e produtores e cineastas que viam potencial no gênero de fantasia começaram a sondar Martin pelos direitos de sua história. (Ele hesitou, convencido de que sua história nunca poderia ser esmagada no formato de filme).
Foi quando a coisa entre García e Antonsson ficou séria em mais de uma maneira. Por dividirem o gosto por Tolkien, Jordan e Martin, um romance floresceu e, alguns meses depois de Fúria ser lançado, García se mudou para a Suécia. Todos com quem eles conversaram sobre a série estavam apaixonados por ela. “Nós tínhamos alguns proselitistas que falavam em arremessar os livros em amigos, familiares, colegas de trabalho, etc.”, disse García por e-mail. “E foi tudo muito orgânico. A Random House não passava seu tempo vasculhando maneiras de nos vender ou fazendo com que trabalhássemos para eles, os fãs só fizeram isso porque gostavam”.Encorajados pelo fato de o livro inicial não ter sido o único, eles lançaram o site Westeros.org, reunindo os fóruns que herdaram, os dados de “The Concordance” e seus registros dos declarações públicos de Martin. Começou como um projeto paralelo executado em um servidor miudo em casa, enquanto continuavam a perseguir seus respectivos objetivos acadêmicos. Mas, eventualmente, se tornaria a principal fonte de análise e informação sobre o universo, seu autor e tudo mais.
Enquanto isso, a série de Martin continuou atraindo mais leitores e tornando-se mais difícil de lidar. O manuscrito de seu terceiro livro, A Tormenta de Espadas, tinha 1.521 páginas, e alguns editores não conseguiram manter tudo em um volume. Mas seu apoio entre a comunidade on-line da fantasia ficou mais forte do que nunca, e a Publisher’s Weekly chamou esse fascículo de “um dos exemplos mais gratificantes de gigantismo na fantasia contemporânea”. Quando foi lançado em 2000, estreou em 12º lugar na lista de best-sellers do New York Times.
No momento em que Martin lançou O Festim dos Corvos em 2005, ele garantiu seu lugar como o proeminente escritor de fantasia da década. O livro chegou ao topo da lista de best-sellers do New York Times e a Time o apelidou de "o Tolkien americano". Mas ele também se deparou com os mesmos problemas com Festim que com Tormenta. Sua solução foi dividir Festim em dois e contar a história de apenas metade dos personagens, em vez de metade da história de todos os personagens. Ele explicou tudo no post scriptum do quarto livro, logo após um final instigante. "Olhando para trás, eu deveria ter antevisto", escreveu Martin em seu site pessoal em 2005. "A história faz suas próprias demandas, como Tolkien disse uma vez, e minha história continuou pedindo para ficar maior e mais complicada."
O que pode ter sido uma limitação editorial frustrante para Martin foi uma fonte quase enlouquecedora de suspense para sua crescente base de fãs. Depois de esperar cinco anos entre o terceiro e o quarto livro, os leitores ainda ficaram imaginando o destino de favoritos como Jon Snow, Tyrion Lannister e Daenerys Targaryen. O próximo fascículo seria lançado em 2011, seis agonizantes anos depois. E foi durante esses períodos de silêncio, quando os fãs não tinham material novo com o qual se ocupar, que eles começaram a se concentrar em criar os seus próprios. "Não tenho certeza se a popularidade que antecede os livros poderia ter acontecido se os livros tivessem saído muito rapidamente", disse Antonsson. “Ter tempo entre uma série de livros é o que alimenta a discussão nas comunidades. Dura mais”.
O acesso digital e as plataformas sociais estavam evoluindo para apoiar esses tipos de obsessões. Entre 1995 e 2005, o uso global da Internet aumentou de 44,4 milhões de usuários para 1,026 bilhão. Plataformas simples para blogs, como LiveJournal, WordPress e Xanga, tornaram mais fácil para as pessoas iniciarem blogs pessoais e compartilharem suas ideias sobre qualquer coisa, independentemente de quão arbitrárias ou específicas. E as primeiríssimas redes sociais da web, incluindo o MySpace e o Facebook, estavam na infância, assim como o conceito de podcasting.
Enquanto Martin continuava atualizando sua base de fãs através de um LiveJournal chamado Not a Blog, seus fãs adoradores lidavam com sua impaciência de formas cada vez mais criativas. A maioria preferiu vasculhar os fóruns de Westeros.org ou Tower of the Hand, onde puderam analisar todas as teorias possíveis em torno de cada enredo e propor suas próprias. Uma facção de leitores impacientes se separou para formar uma comunidade ressentida conhecida como GRRuMblers. O fundador do site Winter Is Coming, Phil Bicking se agarrou a um anúncio de 2007 de que a HBO adquirira os direitos da série As Crônicas de Gelo e Fogo, e redirecionou sua energia para um site do Blogger que registrava o elenco, as filmagens e a produção da série. Mesmo antes de o piloto ter sido filmado, os fãs no site de Bicking começaram a tratar os anúncios do elenco como mistérios não resolvidos. Como um colunista de fofoca, Martin iria postar dicas sobre quem foi escalado para determinado papel em seu blog, para alimentar a chama. "Então a base de fãs passaria dias debruçado sobre aquilo, tentando desvendar o teste", disse Bicking. “Nós descobrimos todos eles. Fiquei chocado que as pessoas foram capazes de descobrir até mesmo Isaac Hempstead Wright, que interpreta Bran, e estava em um comercial antes disso”. Bicking se lembra de ter começado dois tópicos separados para discutir rumores e vê-lo ser encher com quase 1.000 comentários cada um. “Então, eu fiquei tipo: 'OK, eu tenho aqui uma comunidade dedica e de bom”, disse ele. A grande imprensa estava tomando conhecimento". Algum programa de TV recente gerou mais entusiasmo on-line, sendo que nem mesmo é um programa de TV?", perguntou o The Hollywood Reporter em 2010.
Quando a HBO estreou Game of Thrones em 2011, Martin já era famoso. Ele havia vendido mais de 15 milhões de livros em todo o mundo, fora retratado pelo The New Yorker e poderia levar sua legião de adoradores e haters ao frenesi com uma simples foto de férias postada em seu LiveJournal. Tudo isso significava que, quando o programa estreou em 17 de abril, ele se saiu bastante bem segundo os padrões de televisão. Cerca de 2,22 milhões de pessoas assistiram à estreia, o que foi menos do que o número de espectadores conquistados por Storage Wars da A&E e por The Killing da AMC, e mais do que Khloe & Lamar do E!.
Ainda assim, a crítica o recebeu de forma foi irregular. Embora muitos analistas tenham elogiado a capacidade da HBO de estabelecer um palco exuberante e cativante para a história complexa e abrangente de Martin, outros a consideraram um sinal de declínio da rede. Slate o chamou de “lixo de fantasia semi-medieval e repleto de dragões”. O New York Times o descreveu como “drama em traje de época com pingue-pongue sexual”. Em uma fala indicativa de uma conversa muito maior sobre a legitimidade da cultura nerd e sua perceptível falta de inclusão de gênero, a crítica Ginia Bellafante detonou o show por glorificar “a ficção infantil paternalmente acabou atingindo a outra metade da população”, e concluiu que “se você não é avesso à estética de Dungeons & Dragons, a série pode valer a pena”.
Enquanto isso, os servidores da Westeros.org estavam caindo. A agitação que antecedeu a estreia do programa deixou García e Antonsson com cerca de 17.000 membros registrados no Westeros.org. Mas o casal estava totalmente despreparado para a onda de interesse que se seguiu à estréia da série. Na noite em que foi ao ar, o site foi torpedeado pelas buscas do Google, e os dois cuidavam de seu único servidor como um recém-nascido com cólica. Para desviar o fluxo de tráfego, García ajustou o site para que apenas os membros registrados pudessem ver as postagens. "Eu imaginei que isso impediria as pessoas de entrarem", disse ele. No dia seguinte, ele acordou com 9.000 novas solicitações de conta. García passou horas aprovando manualmente os recém-chegados. A espera entre o terceiro e o quarto romance estimulou um aumento lento e constante de fãs, talvez um ou dois mil membros por ano entrando no fórum. Mas com a chegada do programa de TV, eles poderiam acumular vários milhares em um único dia. "Foi impressionante", disse García. “Os membros do nosso fórum chamaram a onda de novas pessoas de 'The Floob' - uma enxurrada de noobs.” Foi nessa época que García e Antonsson abandonaram suas atividades acadêmicas para se concentrarem no site em tempo integral.
Embora o casal tenha perdido alguns dos dados do número de visitantes dos primeiros dias, Antonsson lembra-se de ter assistido a vazão e o refluxo do tráfego em A Wiki of Ice and Fire quando os recém-chegados reagiram aos principais pontos da trama da primeira temporada. Esses picos foram particularmente pronunciados no episódio 9, quando o herói do programa, Ned Stark, foi executado inesperadamente. “Logo após o episódio terminar, todo mundo foi até a página de Ned Stark para checar: Ele está bem? Né?” - lembrou Antonsson. (Ele não estava.) O final da temporada do show foi assistido ao vivo por cerca de 3,04 milhões de lares - cerca de 820 mil a mais do que a estréia. A primeira temporada mais tarde viria a ser indicada para 13 Emmys e ganharia dois, para Melhor Design de Abertura e para a performance de Peter Dinklage como Tyrion na categoria Melhor Ator Coadjuvante em série dramática. Ao matar o herói de Westeros antes mesmo que a temporada terminasse, Benioff e Weiss chocaram seus espectadores menos maduros, agradaram os superfãs dos livros e plantaram uma semente de curiosidade que sustentaria a série ao longo dos próximos oito anos.
O que García e Antonsson testemunharam em seu site naqueles primeiros dias se assemelhava à conversa em duas frentes de Game of Thrones que logo surgiria na mídia e na internet como um todo. Depois de cada novo episódio televisivo, aqueles que não leram os livros (agora presumivelmente na casa dos milhões, tendo em conta a audiência do programa) correm para a Internet em busca de contexto, enquanto os leitores de livros (também uma base crescente) riem de diversão e depois analisam as diferenças entre o show e o cânone. Essa “camada paralela” de conversação, como a T Magazine do New York Times a chamou, pode ao mesmo tempo fornecer aos recém-chegados uma melhor compreensão do universo de Westeros e permitir que os veteranos testassem seu conhecimento detalhado do cânone em contraste com o show.
[...]
E há o Deus Imperador Butler. Embora o programa esteja chegando ao fim e não esteja claro se ou quando os livros remanescentes de Martin serão publicados, a comunidade que ele aprecia sobre Thrones continua viva. Em agosto, muito depois do final da série, ele participará de sua 17ª reunião da Brotherhood Without Banners na Worldcon em Dublin. "Seria meio triste não ir", disse ele.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2017.12.02 17:27 throwawayconfusedlad Meu ex- irmão

TL;DR: Meu irmão virou transexual e agora parece com a Renata Davilla e ele me disse que eu deveria fazer o mesmo.
Inicio: começou quando estávamos no ensino médio eu com 15 e ele com 17, ia ter um evento de anime bem grande aqui, então eu tive a ideia de ir de crossdresser com as roupar de nossa irmã, dai ele pilho também e fomos. Durante o evento só fomos descobertos quando abríamos a boca, sim gogo e barba( ou projeto de bigode financiado com dinheiro publico) não denunciava, não temos ombros largos, a unica coisa que denunciaria seria a mão . Dai de boa a gente conhecia um monte de gente, pegava uma ou outra menina. Dai então nos outros eventos ele sempre ia de crossdresser, mas já pintava as unhas e tinha comprado roupas, mas eu tava nem ai, nem dei bola, dai então esse negocio chegou ao conhecimento de nossos pais mas foi tranquilo.
Background familiar: Classe media-alta, descendente de italianos, apreciadores de musica e vinho, avos eram católicos.
Cotidiano: Escola no turno matutino, a tarde estudávamos e jogávamos algum jogo multiplayer ou online, tipo Counter Strike, league of legend ou Mario Kart. As vezes alguns amigos iam pra la e a gente ficava na piscina ou jogando videogame. Minha irmã que é a mais velha tava fazendo faculdade e ela alugou um apartamento perto da faculdade onde ela ficava durante a semana.
Mental Breakdown: chegando perto dos 18, meu irmão tinha terminado o ensino médio e ele tava com medo de ser chamado pro exercito, porque na época tinha muitas historias em volta da obrigatoriedade do exercito, ai ele começou a ficar depressivo, mas esse negocio de exercito deu em nada e ele começou a faculdade e se mudou também, ai fui perdendo contato com ele a unica coisa que juntava a gente era o Counter strike ou league of legend, no final de semana ele nem visitava a gente direito.
Depressão: Então, nem completou 1 ano de faculdade ele trancou a faculdade e voltou pra casa, cheio das ideias de que quando ele olha no espelho ele não se reconhecia mais e depois de muito drama(desculpa a insensibilidade) ele diz que se sente mulher no corpo de homem e que queria fazer o tratamento e que já vinha fazendo acompanhamento com psicólogos, ....shitstorm .... e depois tudo fica bem.
Transição 1: Ele começa a tomar medicamentos e continua indo pro psicologo ate que um dia que ele(ou já era ela ?) diz que vai Tailândia pra continuar o tratamento e depois voltar e continuar a faculdade.
Transição 2: Dai então, ele viajou e o único contato que eu mantinha com ele era jogando CS ou LOL(merda de horário o dele kkkkk), ele conversava mais com minha irmã e minha mãe, a unica coisa que meu pai fazia era mandar o dinheiro (apesar de parecer ser frio ele sempre foi assim, então nada de mais) eu achava que ele ia fazer apenas vaginoplastia e colocar silicone, mas descobri pela minha irmã que ele ia fazer um monte de cirurgia, uma ai que altera a voz da pessoa, uma que deixa o rosto mais afeminado, outra que muda a linha do cabelo. Minha irmã ia e voltava la pra auxiliar ele(nome continuava o mesmo, nem social ele tinha decidido ainda) eu via as fotos e não tinha muita diferença, dai ele entrou na academia (ainda na Tailândia) e p*p ele virou a Renatinha do BBB 12. 2 anos depois ele volta ela com nome decidido e tudo (não vou dizer o nome porque, eh obvio, neh?, mas vamos chamar de Allyson, porque eh um nome comum de dois gêneros em inglês)
Ajuste familiar: Todo mundo falava com a Allyson que o importante era que ela estava feliz e soh isso que importava, beleza, quando eu conversava com ela eu sentia que tava conversando com meu irmão (apesar da voz ser bem diferente), mas eu olhava pra ela e meio que dava um certo desconforto, sabe ? era como se meu irmão fosse um demônio que possuiu a Renatinha do BBB 12 e ganhou uns 15 centímetros de altura.
Momentos constrangedores, WTF e engraçados : Andar no shopping ou mercado com ela e todo mundo ficar olhando pra mim como se fossemos um casal e como um cara magrelo e pequeno como eu ta com um mulherão. O momento mais WTF e chocante pra mim foi numa festa que foi eu, minha irmã e minha irmã Allyson, Allyson estava de vestidinho rebolando ate o chão...era de se esperar (algum dia ?) mas foi chocante. E uma das coisas mais cômicas é quando a gente joga online juntos ai ela fica puta e começa a brigar com os caras dai então os caras depois que escutam a voz dela ai começa aquela palhaçada de zoar ela kkkkkkkkkkkkk a voz dela ficou digna de cantar deep houseTipo esse , nem da minha irmã que sempre foi mulher tem uma voz melodiosa assim. Teve uma vez que recebemos uma visita, ai a visita chamou a Allyson pelo nome da minha irmã, detalhe as duas estavam no mesmo quarto, ai ele reparou que minha irmã não era meu irmão(Allyson) kkkkkkkkkk.
O pobrema:
1) Ela sabe que eu sempre fui inseguro comigo mesmo, então ela fica fazendo brincadeiras de cunho sexual comigo(não darei mais detalhes porque tenho vergonha e também eh NSFW ou NSFL pra mim)
2) Faz um pouco mais de um mês que ela me disse isso... que eu também deveria ser uma transexual porque como homem eu sou pequeno, fraco e não que eu passo confiança e segurança e estou fadado a passar o resto da vida como macho beta e que tenho material base que nem ela pra ser fêmea alfa(favor ignorar aulas de biologia, porque pra mim isso eh obvio).
Situação atual: Apesar disso nossa relação continua boa, acredito que toda família tem seus problemas . minhas duas irmãs estão em Nova York comprando roupas, e eu pedi pra Allyson comprar um Nintendo Switch pra mim e uma Canon DSLR porque gosto de tirar fotos e la nos EUA eh bem mais barato, e quando estamos juntos saímos geralmente vai os 3 pra festa, restaurante e etc.
Desculpa o desabafo longo, mas não queria compartilhar com meus amigos IRL tenho medo de consequências que isso pode ocasionar, eu sou mal resolvido comigo mesmo, mas gostaria que ela parasse de mexer com esse meu lado, mas se eu reclamar pra ela disso vai reforçar exatamente o que ela disse, então eu apenas sigo a vida ignorando isso.
submitted by throwawayconfusedlad to brasil [link] [comments]


2017.07.07 18:32 feedreddit Por que políticos americanos não gostam de terroristas, mas gostam de grupo iraniano totalitarista

Por que políticos americanos não gostam de terroristas, mas gostam de grupo iraniano totalitarista
by Mehdi Hasan via The Intercept
URL: http://ift.tt/2u0jmg0
O que um príncipe saudita, um ex-presidente republicano da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e um ex-candidato democrata à vice-presidência do país estavam fazendo num subúrbio de Paris no último fim de semana?
Você ficaria surpreso em saber que o príncipe Turki Bin Faisal, Newt Gingrich e Joe Lieberman se reuniram para prestar apoio a um grupo de exilados iranianos que, de 1997 a 2012, foi categorizado pelo governo norte-americano como “organização terrorista estrangeira” ?
Há muito tempo certos “falcões”, como são conhecidos os políticos mais bélicos e conservadores do cenário norte-americano, se encantaram com o Mojahedin-e Khalq, conhecido como MEK. Tanto é que, em 2012, fizeram um lobby pesado para conseguir tirá-lo da lista de grupos terroristas, estabelecida pelo Departamento de Estado. Fundado no Irã nos anos 1960, o MEK – que significa “combatentes sagrados do povo” – já foi abertamente antiamericano, semimarxista e semi-islamista : jurou derrubar a força o Xá que tinha o apoio dos Estados Unidos e estar disposto a atacar alvos norte-americanos. O MEK é ainda acusado de ter colaborado na tomada de reféns dentro da embaixada norte-americana em Teerã em 1979. O grupo chegou a condenar a libertação dos reféns, classificando-a de uma “rendição” aos Estados Unidos. Mas depois que os governantes clericais se voltaram contra o grupo no início dos anos 1980, os líderes do movimento fugiram do país e deram início a uma série de bombardeios por todo o Irã.
Hoje em dia, a organização é dirigida pelo casal Massoud e Maryam Rajavi, apesar do paradeiro de Massoud ser desconhecido, havendo inclusive boatos de que estaria morto. O grupo afirma ter renunciado à violência e se vende aos seus novos amigos norte-americanos como um movimento 100% secular e democrático de oposição ao governo iraniano. Mas o maior problema do MEK não é o passado de organização terrorista. Vários grupos violentos que já foram considerados “terroristas” conseguiram abandonar as armas e passaram a circular pelos corredores do poder – como o Exército Republicano Irlandês (IRA) e o Congresso Nacional Africano (ANC).
O maior problema de políticos norte-americanos apoiarem o MEK é que o movimento tem toda a cara e todas as armadilhas de um culto totalitário.O problema também não é o MEK não ter nenhum apoio dentro da República Islâmica. E olha que o oposicionista Movimento Verde renegou o grupo, que já era abominado pela população iraniana por ter lutado ao lado de Saddam Hussein durante a guerra entre Irã e Iraque.
O maior problema de políticos norte-americanos apoiarem o MEK é que o movimento tem toda a cara e todas as armadilhas de um culto totalitário. E não sou só eu quem diz: um relatório do Departamento de Estado registrou, em 1994, que Massoud Rajavi “promovia um culto à sua personalidade” e que isso “afastava muitos expatriados iranianos, que diziam não querer substituir um governo contestável por outro”.
Você acha mesmo que só quem mora em países ditatoriais sofre lavagem cerebral? Em 2009, um relatório do think thank norte-americano RAND Corporation apontou que os integrantes do MEK tinham que “jurar devoção aos Rajavis com a mão sobre o Corão”. Destacou ainda que “as práticas autoritárias e cultuais” incluíam “divórcio e celibato obrigatórios” para os membros (com exceção do casal Rajavi, claro). “O amor aos Rajavis deveria substituir o amor ao cônjuge e à família”, detalha o relatório.
Forças de segurança iraquianas entram pelo portão principal de Camp Ashraf, sede do MEK ao norte de Bagdá (2012).
Photo: Hadi Mizban/AP
Você acha ruim a segregação de gênero dentro do Irã? No Camp Ashraf, no Iraque, espécie de quartel-general onde combatentes do MEK moraram até 2013, “pintavam-se linhas no chão dos corredores para separar os homens das mulheres”, ainda de acordo com o relatório do RAND. Até o posto de gasolina tinha “horários específicos para homens e para mulheres”.
Você pode até entender por que um príncipe saudita, o ex-prefeito de Nova York Rudy Giuliano e o ex-funcionário do governo Bush (e “super-falcão”) John Bolton, que estiveram todos no encontro em Paris, estão mais dispostos a apoiar um conjunto tão bizarro de fanáticos e ideólogos. Mas o que levaria um liberal democrata de Vermont como Howard Dean (que já sugeriu que Maryam Rajavi deveria ser reconhecida como presidente exilada do Irã) a se misturar com eles? O que teria levado gente como John Lewis, deputado da Geórgia e herói dos direitos civis, a defender publicamente o MEK em 2010?
Seria por conta daquele velho quiçá amoral provérbio: “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”? Talvez.Seria por conta daquele velho quiçá amoral provérbio: “o inimigo do meu inimigo é meu amigo”? Talvez. Seria o resultado da ignorância, da incapacidade de figuras experientes da política norte-americana de cumprir com seu dever de diligência? Quem sabe.
Ou seria só uma simples questão de grana? “Muitos desses antigos altos funcionários do governo, que representam todo o espectro político norte-americano, receberam dezenas de milhares de dólares para defender publicamente o MEK”, revela a ampla investigação feita pelo jornal Christian Science Monitor em 2011.
Em Washington, o dinheiro fala. Seja você um democrata como Dean ou um republicano como Bolton, um ex-chefe da CIA como Porter Gross ou um ex-chefe do FBI como Louis Freeh, o que importa é que o MEK costuma assinar uns cheques bem gordos.
Gingrinch, por exemplo, criticou duramente Barack Obama por “fazer reverência ao rei saudita” , mas foi filmado fazendo o mesmo em frente a Maryam Rajavi. Durante o fim de semana em Paris, o ex-presidente da Câmara dos Representantes chegou ao cúmulo de comparar Rajavi a George Washington em seu discurso.
E Giuliani, « o Prefeito da América » que se autointitula um falcão antiterrorista, mas que, desde 2010, não hesita na hora de receber alguns milhares de dólares para endossar um grupo que: assassinou seis americanos no Irã em meados dos anos 1970; se aliou a Saddam Hussein para esmagar os curdos do Iraque no início dos 1990; aparentemente cooperou com a Al Qaeda na fabricação de bombas pouco tempo depois; e, finalmente, combateu tropas norte-americanas no Iraque em 2003.
Esse pessoal não tem vergonha? Para citar Suzanne Maloney, especialista em Irã do think thank Brookings e ex-consultora do Departamento de Estado, “Gingrinch/Giuliani/Bolton/Lieberman dão pouquíssimo valor à própria integridade, a ponto de se venderem ao culto do MEK”.
Enquanto isso, derrubar o regime iraniano voltou com tudo para a lista de prioridades da Washington de Donald Trump. O candidato que detonava as guerras de agressão de George W. Bush no Oriente Médio deu lugar ao presidente que nomeou os falcões anti-Irã James Mattis e Mike Pompeo para comandar, respectivamente, o Pentágono e a CIA. É o mesmo presidente que tem em Giuliani e Gingrich, os garotos-propaganda do MEK, seus principais conselheiros externos e que escolheu Elaine Chao, que recebeu 50 mil dólares dos Rajavis para pronunciar um discurso de 5 minutos em 2015, para trabalhar no gabinete presidencial.
Sejamos claros: o governo Trump, os sauditas e os israelenses (que, de acordo com uma investigação da NBC News, “financiaram, treinaram e armaram” o MEK no passado) estão bem dispostos a derrubar o regime clerical iraniano. O que mais querem é uma Guerra do Iraque Parte II. Para essa sequência, o MEK de Maryam Rajavi está querendo interpretar o papel do partido Congresso Nacional Iraquiano (INC), de Ahmed Chalabi: os 3 mil combatentes do grupo estão prontos para atuar como “ponta de lança”, segundo afirmou o ex-senador-democrata-agora-advogado-do-MEK Robert Torricelli no sábado passado.
É assim que a loucura se espalha. As elites da política, da inteligência, do Exército não aprenderam nada com a desventura mesopotâmica e com a desastrosa contribuição de exilados iraquianos como Chalabi? Bem, vamos dizer que 0s fanáticos doutrinados do MEK fazem o INC de Chalabi parecer a ANC de Mandela.
É difícil, no entanto, discordar do veredito de Elizabeth Rubin, do New York Times, que visitou o MEK no Camp Ashraf em 2003 e, depois, “conversou com homens e mulheres que conseguiram escapar das garras do grupo” e “tiveram que ser ‘reprogramados’”. Como Rubin advertiu em 2011, o MEK “não é só irrelevante para a causa dos ativistas democráticos no Irã, é um culto totalitário que vai voltar para nos aterrorizar”.
Foto em destaque: Maryam Rajavi discursa durante a reunião anual do Mojahedin-e Khalq no centro de convenções de Villepinte, próximo de Paris (01/07/2017). Líderes políticos internacionais também discursaram em apoio a ela.
The post Por que políticos americanos não gostam de terroristas, mas gostam de grupo iraniano totalitarista appeared first on The Intercept.
submitted by feedreddit to arableaks [link] [comments]


A CONEXÃO INCRÍVEL - 11 horas de conexão em NYC HOT WHEELS MONSTER TRUCKS AO VIVO EM NOVA YORK - Brancoala ... Desapega Nova York: casal vende tudo para morar fora - Parte 1 Dicas para encarar a imigração em Nova York - YouTube Estadia barata em New York - Hostel COMPRAS EM NOVA YORK? NOVA LOJA TARGET I NY COMENDO EM NEW YORK PAGANDO MUITO POUCO #1 UM CASAL EM NY - O COMEÇO Brincando no Carrossel em Brooklyn Bridge New York - Com amigos LEIS: O QUE É PROIBIDO FAZER EM NOVA YORK?  AMIGO GRINGO ...

Eles se Ofereceram — em Nova York Estudo

  1. A CONEXÃO INCRÍVEL - 11 horas de conexão em NYC
  2. HOT WHEELS MONSTER TRUCKS AO VIVO EM NOVA YORK - Brancoala ...
  3. Desapega Nova York: casal vende tudo para morar fora - Parte 1
  4. Dicas para encarar a imigração em Nova York - YouTube
  5. Estadia barata em New York - Hostel
  6. COMPRAS EM NOVA YORK? NOVA LOJA TARGET I NY
  7. COMENDO EM NEW YORK PAGANDO MUITO POUCO #1
  8. UM CASAL EM NY - O COMEÇO
  9. Brincando no Carrossel em Brooklyn Bridge New York - Com amigos
  10. LEIS: O QUE É PROIBIDO FAZER EM NOVA YORK? AMIGO GRINGO ...

#Publicidade Fui com o Marcos para Nova York no evento Hot Wheels Monster Trucks Live! Caminhões de rodas gigantes, motores barulhentos, saltos, carros amass... Os golpes e ciladas para serem evitados em Nova York - Duration: 11:53. ... COMO FAZER UMA MALA INTELIGENTE E FUNCIONAL - Duration: 9:09. NYCTips_ 4,212 views. 9:09. Tem planos para fazer intercâmbio ou morar em outro país? Veja a história real do casal Rafael e Danielle, que estão desapegando de tudo na OLX para viver em Nova York. Vlog - Brincando no Carrossel de Brooklyn Bridge New York - Com amigos Apresentação: Casal de bem com a vida, e com muita fé em Deus. Temos uma corretora de Plano de saúde, que atende todo o ... E-BOOK COM DICAS PARA ECONOMIZAR EM NOVA YORK: https://bit.ly/2kg31wB Toda semana, leio algum relato de alguém preocupado com a entrada nos EUA, com receio, ... Nova York:🇺🇸 Onde se hospedar, outlets, o que não pode faltar, Broadway, tours e outras dúvidas! - Duration: 9:53. Martha Sachser 10,402 views Fala galera, Você pode SIM, passar um dia em New York USA com apenas 20 dolares ou menos. Viagem com custo baixo para New York, Quanto vou gastar em um dia em New York, Como economizar em viagens ... Em Nova York, as leis funcionam! Hoje, seu Amigo Gringo passa uma lista bem importante do que NÃO é permitido fazer na cidade, ações que podem gerar multas e... This video is unavailable. Watch Queue Queue. Watch Queue Queue O que fazer em Nova York em apenas 11 horas de conexão? Chegamos bem cedo e pegamos um Uber até a Brooklyn Bridge. De lá fomos ao memorial do WTC e ao Westfield World Trade Center.